No topo, mais uma vez

O Canadá está no topo mais uma vez. De acordo com a pesquisa “The Better Life Initiative”, realizada pela Organization for Economic Co-operation and Development (OECD), os canadenses possuem uma vida melhor que qualquer pessoa no mundo ocidental, perdendo somente para a Austrália.

A pontuação do Canadá foi a maior ou então ficou perto do topo nos quesitos habitação, educação, saúde e satisfação com a vida dentre os 34 países mais industrializados.

Mas o que realmente chama a atenção é a última frase: cerca de dois terços dos canadenses, ou 66%, afirmaram ter ajudado um estranho no último mês; esse percentual foi o mais alto na pesquisa da OECD e muito acima da média, que ficou em 46%.

Leia a matéria na íntegra abaixo ou então no link da Global News, no final da página.

PARIS — Canadians have a “better life” than anyone in the western world except — by a narrow margin — Australians, according to a new analysis released Tuesday.

Canada scored at or near the top in such areas as housing, education, health and life satisfaction, among 34 major industrialized countries.

Sweden ranked third among the members of the Organization for Economic Co-operation and Development; the U.S. was seventh; and Turkey was a distant last.

The Better Life Initiative survey marked a major attempt by the Paris-based OECD, an economic and social policy think-tank funded by its members, to provide a broader measure of a country’s success than gross domestic product figures.

“People around the world have wanted to go beyond GDP for some time,” OECD Secretary General Angel Gurria said in a statement.

“This index is designed for them. It has extraordinary potential to help us deliver better policies for better lives.”

The index compares the 34 countries in 11 areas — housing, income, jobs, community, education, environment, governance, health, life satisfaction, safety and work-life balance.

Canada ranked first in terms of access to affordable housing, second on “life satisfaction,” and third on three categories — safety, health and education.

Canada’s worst score was in the area of governance, where it was near the middle of the pack.

While 67 per cent of Canadians trust their political institutions, well above the OECD average of 56 per cent, voter turnout in national elections was around 60 per cent — well below the 72 per cent average.

The report, in a commentary on government transparency, noted that Canadians can’t use the Internet or telephone to get information under Canada’s access-to-information laws.

“In addition, there are no provisions for anonymity or protection from retaliation.”

In its breakout analysis for Canada, the OECD tossed in a poll result from 2008 that wasn’t considered in Canada’s overall ranking but may, according to an official, help explain why many in the country have “better lives.”

Roughly two-thirds of Canadians, or 66 per cent, “reported having helped a stranger in the last month, the highest figure in the OECD” and well above the average of 46 per cent.
Read it on Global News: Canadians trail only Aussies in quality of life: Study

Vem chegando o verão…

Ainda estamos na primavera, muitas flores nos jardins, mas o Canadá já está em clima de verão. Bastou sair um sol – depois de muitos dias de chuva e temperaturas baixas para essa época do ano -, que tudo muda. Dá vontade de fazer várias coisas lá fora, sair de casa sem casaco e botas é um prazer sem preço e está todo mundo programando várias atividades ao ar livre para o final de semana prolongado. Pra quem não sabe na segunda-feira é o Victoria Day, que é considerado o “primeiro feriado do verão”…

Nós vamos aproveitar o sábado de sol e faremos um passeio a Niagara Falls pra levar uma amiga da Bia que está nos visitando.

Desculpem a falta de notícias por aqui, mas a falta de tempo é um negócio sério na vida do imigrante.

Sempre que der eu apareço, OK?

Beijos,

Andrea

O primeiro ano a gente não esquece

Foram muitas horas de preparação, dois anos de angústia, emoções misturadas, vontade de ir embora, vontade de ficar, amigos que deixamos, incertezas, sacrifícios, mas valeu a pena. Chegamos ao aeroporto de Toronto no dia 17 de julho de 2009 numa tarde de sexta-feira e nossos amigos Meg, André e Márcio nos esperavam lá pra nos dar as boas-vindas! Obrigada, queridos!

Depois de 365 dias cheios de alegrias, algumas decepções, realizações, cansaço, ansiedade, reencontros, saudades, estamos aqui, firmes e fortes, prontos para muitos outros “aniversários de Canadá”. Nos sentimos adaptados, mas aprendendo muito a cada dia. Pois mudar de país não é fácil. É quase como nascer de novo! Tirar documentos, aprender como funcionam as coisas, interagir com a(s) cultura(s) local(is), destravar a língua pra ter a fluência no idioma, entender os diversos sotaques que existem por aqui, enfim, uma vida totalmente diferente da que tínhamos no Brasil em muitos sentidos, mas com a qual nos identificamos bastante e já nos sentimos “daqui”.

Agora é continuar na luta, com força e garra pra superar todos os desafios que ainda estão por vir! E aguardar mais dois anos pra dar entrada no pedido de cidadania! Yay!

Beijos!

Andréa

Toronto no verão

Em primeiro lugar, desculpem-nos por tanto tempo sem postar (Paulo, seu puxão de orelha surtiu efeito!), mas a correria do dia-a-dia não deixa muito tempo pra escrever aqui e nem pra ler os blogs preferidos.

Mas vamos ao assunto do título: bastou começar a aumentar a temperatura dos termômetros que Toronto e arredores mudam de cara. A mudança começa já na primavera com festivais de tulipas. E agora, que o verão está quase aí começam a acontecer outros eventos maiores tais como o Doors Open Toronto – que aconteceu tem umas duas semanas e é quando os prédios públicos abrem suas portas aos moradores e turistas -, o Carassauga (que acontece em Mississauga) em que podemos experimentar comidas de várias culturas e também apresentações de dança e música.

Mas um dos maiores eventos dessa época do ano é o Luminato. É um festival de arte e criatividade que acontece a partir do dia 11 de junho em vários locais da cidade. Vários dos eventos são gratuitos e parecem ser bem interessantes.

À medida que eu for sabendo dos festivais vou postando aqui. Dessa forma quem já está em Toronto vai poder aproveitar e quem ainda estiver aguardando o visto pode anotar no caderninho pra curtir quando chegar!

Beijos que agora vamos assistir nossa nova mania: Big Love!

Andréa e Edu

Vacinação no Canadá

Quando recebemos o pacote final do consulado, recebemos também um formulário para informar as vacinas dos menores de 16 anos. Como minha filha estava para completar 16 anos, consultei o consulado e me disseram para preenchê-lo mesmo assim.

Então pedi a um médico da família para preencer e assinar com as datas das vacinas. Esse formulário é super importante, pois é solicitado na hora da matrícula – pelo menos na escola da Bia eles pediram – e a própria escola envia esses dados para a secretaria de saúde regional (No nosso caso o Peel Region Public Health).

A secretaria de saúde mantém um registro dessas vacinas e manda uma carta para os pais caso exista alguma discrepância entre o que foi informado e o que é obrigatório no Canadá. Foi o que aconteceu comigo:  já enviaram duas cartas dizendo que a Bia tem que tomar três vacinas, só que essas vacinas foram reportadas no formulário original, mas essa informação deve ter se perdido no meio do caminho e já tive que atualizar os registros dela duas vezes, mas fiz tudo isso online, no próprio site do Peel Public Health.

Ou seja, mesmo que uma família tenha filhos maiores de 16 anos, é aconselhável preencher esse formulário, pois ele será importante aqui na hora de matricular na escola e para a secretaria de saúde.

Segue o link para a região de Peel (Mississauga, Brampton, Caledon):  https://www.peelregion.ca/health/immunization/index.htm

No entanto, a vacinação não é obrigatória e se você não quiser vacinar seus filhos, pode fazer um pedido à secretaria de saúde. Veja o que está escrito no site do Peel Public Health:
I do not want my child to be immunized. Can I get an exemption?

If you do not wish your child to be immunized for medical or religious or sincerely held beliefs, you may request an exemption from Peel Public Health. Your physician or registered nurse in the extended class must complete the medical documents. A lawyer, justice of the peace or notary public must complete the legal documents (affidavit) as required for your exemption request. To be exempted, you must return all the original completed documents to Peel Public Health.

In case of an outbreak of a vaccine-preventable disease, students who have not been immunized for the above reasons may be excluded from school.
Tem mais informação aqui também:

http://www.hc-sc.gc.ca/hl-vs/iyh-vsv/med/immuniz-eng.php

Boa leitura!

Andréa

Final de semana prolongado, viagem à vista

Pois é, aqui também tem feriado em fevereiro, mas não é Carnaval (ainda bem!). Na segunda, dia 15, é o Family Day, feriado criado recentemente na província de Ontário. Aproveitamos então para conhecer um pouco mais desse país que tem lugares maravilhosos para visitarmos. Vamos a Montreal e Ottawa!
Tirei a sexta-feira de folga e vamos acordar bem cedo pra chegar em Montreal logo no início da tarde. Não vai dar pra conhecer tudo por lá, mas só de viajar e começar a explorar esse país, já estamos animadíssimos.
Ah, e nossa “ilustre” hóspede, a Camila, da Folha do Canadá, vai nos acompanhar nessa viagem. Já que ela conhece ambas as cidades, vai ser nossa “guia”! Hehehehe!
Na volta coloco algumas fotos aqui.
Beijos e bom Carnaval pra quem é de samba…
Andréa

Frio lá fora… fondue aqui dentro!

Essa semana a temperatura voltou a cair muito. Estávamos até achando que o inverno ia ser bem tranquilo, pois chegamos a ter dias em que fez 7 graus positivos, mas essa semana acabou a moleza. Hoje está fazendo entre -11 e -14 com sensação de -21 a -24. Já imaginaram o que é isso?? É frio pacas! Então, pra dar uma “esquentada”, resolvemos fazer um fondue. Primeiro o de queijo e depois o de chocolate. Hmmmm… estava ótimo, dêem uma olhada:

Alguém aí quer um pedacinho? Hehehehe…

Beijos!

Andréa

Quatro meses…

… e tanta coisa já aconteceu! A maioria eu contei nos posts anteriores e pela nossa ausência já devem ter percebido que a falta de tempo é um fato. Trabalhar, cuidar da casa, montar o quarto da Bia, fazer matrícula dela na escola… nossa, o último mês foi muito agitado! Mas valeu a pena!

Já levamos Bia a Niagara, à CN Tower, a alguns lugares de Toronto e outros tantos aqui em Mississauga. Ela está gostando muito da nova vida, da escola e dos novos amigos. Tem amigos brasileiros, colombianos, venezuelanos, paquistaneses, árabes! Dá até pra escolher a nacionalidade.

É claro que ela sente saudades dos amigos do Brasil, da parte da família que ficou lá, mas está aproveitando bastante a oportunidade de viver num país de primeiro mundo, cheio de opções e coisas diferentes pra aprender a cada dia.

Em resumo, estamos todos bem. Eu, trabalhando bastante. Bia, estudando e aprendendo bastante. Edu, já fez um curso e está agora aguardando o próximo começar, em janeiro. E o Chuvisco está adorando o friozinho! Já se acostumou com a casa nova e com o jardim que tem aqui do lado… Adora passear pela grama!

Com relação ao frio, já estamos acostumados. Desde meados de outubro que a temperatura vem caindo, mas até que está bem “quente” pra essa época do ano. As temperaturas têm batido os recordes da média anual (entre 9 e 11 graus positivos) para essa época do ano, mas já na semana que vem deve cair um pouco de neve.

Estamos torcendo, pois é muito lindo! Eu sei que pra quem já mora aqui há alguns anos, a neve passa a ser um problema, não algo bonito e esperado. Mas pra nós ainda é novidade, então esperamos ansiosamente que ela chegue. Já até colocamos pneus de inverno no carro, pois nunca se sabe quando uma tempestade de neve pode chegar, né?

Bom, pessoal, pra quem não tinha muitas novidades, mas até que escrevi bastante. A vida está entrando nos eixos e em pouco mais de quatro meses podemos dizer que já estamos nos acostumando à rotina canadense. No mais, é esperar a neve, o Natal, o Ano Novo e o que mais vai aparecer  pela frente.

Beijos e até mais,

Andréa

U2, passeios, outono, frio e Bia!

Como falei no post anterior, teríamos um mês bem agitado… e tivemos!  Pra começar, o show do U2 foi o máximo! Os caras são bons demais e acho que nunca vão deixar de ser. Eles sabem como envolver o público, mesclaram músicas novas com alguns dos maiores sucessos e o palco foi uma coisa à parte.

O nome da turnê já diz tudo – 360 degrees – ou seja, todo mundo no Rogers Centre conseguia ver o show sem o menor problema, mesmo que estivesse na parte “de trás”, porque não havia a parte “de trás”. Era tudo em 360 graus mesmo. O telão era surreal, algo que nos surpreendeu pela tecnologia e por fazer diversos desenhos, subir, descer, aumentar, encolher! Ma-ra-vi-lho-so!!

Seguem algumas fotos:

U2_3U2_1 U2_2
Alguns dias depois do show do U2, fomos buscar os sogrões no aeroporto. ChuviscoEles trouxeram nosso cachorro, o Chuvisco. A família agora está quase completa, só faltando a Bia chegar. E por falar nisso, ela está chegando no dia 17, sábado que vem. Ainda bem que essa semana só tem quatro dias – hoje foi feriado aqui também: Dia de Ação de Graças (Thanksgiving Day).

Eu quase não falo da Bia no blog  pois ela tinha ficado com o pai no Rio até nossa situação aqui se estabilizar. Ela viria somente no final de dezembro, mas assim que consegui meu emprego, expus alguns argumentos ao pai dela e ele acabou aceitando que ela viesse agora. O ano letivo começou no início de setembro e ainda estamos no outono, o que faz com que a adaptação dela seja mais fácil. Imagina sair do Rio em dezembro, com 40 graus positivos, chegando aqui com 15, 20 graus negativos!

SDC10396_1102x1469E por falar em outono, ele chegou de mansinho e aos poucos as árvores foram ficando amarelas, vermelhas, uma maravilha. Mas com o outono vem também a queda da temperatura. Na madrugada passada os termômetros marcaram 1 grau! Uiii… esse inverno promete, hein?

Agora sobre os passeios que fizemos com os sogrões: já fomos ao Royal Ontario Museum (ROM)Toronto IslandNiagara Falls e Niagara-on-the-lake (É, fomos de novo e teremos que ir mais uma vez com a Bia!! Mas dessa vez fizemos um tour numa vinícola, a Jackson Triggs. Vimos os vinhedos, a produção e no final, degustação!); CN Tower; Toronto e arredores; Oakville e a próspera metrópole de Mississauga, é claro!

Bom pessoal, por enquanto é isso. Desculpem a falta de posts aqui no blog, mas estamos fazendo mil coisas e quando a Bia chegar vai ficar mais movimentado ainda. Tenho que montar o quarto dela (Ela fez questão de escolher tudo!), comprar roupas de frio pra ela, matriculá-la no colégio, enfim, tudo pra que a adaptação dela seja a melhor possível. Até a próxima então.

Beijos,

Andréa

Dois meses

Depois de praticamente dois meses no Canadá – que serão completados na quinta-feira, dia 17 de setembro – temosIMG_2135 várias conquistas para contar e também temos que nos desculpar por estarmos meio sumidos do blog.

Esses primeiros meses são muito intensos tanto física quanto psicologicamente falando e às vezes bate um cansaço enorme e uma falta de vontade de escrever que vocês não imaginam. Mas agora vamos nos redimir dessa ausência e contar o que aconteceu nesse tempo em que estivemos “fora do ar”.

  • Fizemos toda a documentação que o imigrante tem que providenciar quando chega: Social Insurance Number (como se fosse o CPF), Ontario Health Insurance (Plano de saúde do governo, a que só temos direito depois de três meses de Canadá), Language Assessment Test (Prova de inglês para ter acesso aos cursos patrocinados pelo governo), carteira de motorista – bem, quase…
  • A carteira de motorista é uma história à parte, pois ela tem que ser feita em dois estágios: uma prova escrita e um exame de vista (que já fizemos e recebemos a carteira G1, que possui uma série de restrições e é para motoristas novatos); prova prática (para conseguir a carteira G2 ou a G, que não possuem restrições). Mas os funcionários da empresa que faz os testes práticos estão em greve desde o dia 23 de agosto.  A greve começou dois dias antes da nossa prova, ou seja, até agora estamos aguardando que a greve termine para conseguirmos marcar nova prova e termos finalmente a carteira G.
  • Compramos um carro mesmo sem termos a carteira G e estamos andando só pelas redondezas, sem pegar muito as estradas, pra evitar problemas.
  • Fomos a Niagara Falls e Niagara-on-the-lake, um passeio imperdível!
  • Fiz várias entrevistas de emprego e consegui meu primeiro emprego canadense. Comecei a trabalhar hoje como “account administrator” numa empresa de marketing chamada Maritz que fica aqui em Mississauga. Melhor impossível, né?
  • Semana que vem o Edu começa o curso de inglês/”job search” e os pais dele chegam também na próxima semana. Eles vão trazer o Chuvisco, nosso cachorro que tinha ficado com eles no Brasil.
  • Estivemos várias vezes com nossos amigos brasileiros, fizemos churrascos maravilhosos e aproveitamos bem o restinho de verão.
  • Fomos a um jogo de futebol americano no Rogers Centre e, conforme eu já suspeitava, eu detestei! Aquilo é muito lento!! O jogo tem quatro tempos de 15 minutos, mas leva quatro horas pra terminar! Mas estou doida pra ver um jogo de hóquei, pois deve ser bem mais agitado e divertido.
  • Quinta-feira vamos no show do U2, também no Rogers Centre e vai ser ma-ra-vi-lho-so! Depois eu conto como foi!

Teremos um mês bem agitado e talvez fiquemos ausentes do blog mais um pouco, mas depois voltaremos com mais novidades, OK?

Beijos,

Andréa

Tornado em Ontário

Pra “comemorar” nosso primeiro mês de Canadá – que na verdade foi dia 17 -, ontem fomos presenteados com uma chuva intensa, uma tempestade com ventos fortíssimos a partir das 7h da noite. Na parte norte de Toronto, mais precisamente em Vaughan, houve até um tornado! Isso mesmo, tornado! Muitas casas ficaram destelhadas, árvores voaram pelos ares e até alguns carros foram virados pelo vento forte. Muitas pessoas tiveram prejuízos materiais e incrivelmente só houve uma morte, infelizmente de um menino de 11 anos.

Aqui em Mississauga, fora a chuva muito forte, não houve enchentes nem tornado. Em mais ou menos uma hora estava tudo calmo novamente, com o sol saindo entre as nuvens. É claro que o trânsito ficou mais complicado que o normal, mas fora isso, está tudo bem novamente.

Vejam abaixo um vídeo que mostra o momento em que o tornado toca o chão:

Voltando ao assunto sobre o nosso primeiro mês como imigrantes, algumas coisas que fizemos durante esse tempo:

- Tiramos quase todos os documentos necessários e já recebemos nosso cartão de residente permanente (PR Card).

- Fizemos a primeira prova para a carteira de motorista, a prova teórica. A prova prática é no dia 25/8, semana que vem.

- Alugamos nossa casinha e já montamos todos os móveis.

- Fizemos o teste de conhecimento da língua e tiramos ótimas notas. Eu não vou precisar fazer nenhum curso de inglês e o Edu precisa só “destravar” um pouco mais a língua pra falar com mais naturalidade.

- Nos matriculamos em um curso de “job search” patrocinado pelo governo, o ELT (Enhanced Language Training).

- F izemos vários passeios legais a alguns parques aqui perto (depois coloco as fotos), como High Park (em Toronto) e Kiwanis Park (em Kitchener).

Bom, em resumo é isso. Estamos nos acostumando às coisas por aqui e em breve faremos um post sobre as coisas “estranhas” que temos visto.

Beijos,

Andréa

De casa nova

Nossa casa em Mississauga

Nossa casa em Mississauga

Como vocês sabem, ao chegarmos aqui ficamos duas semanas em Toronto no apê de um casal de amigos que nosrecebeu super bem (Meg e Flávio) e agora já estamos de casa nova.

Nas primeiras semanas tratamos de tirar alguns documentos e de comprar as coisas pra casa, como cama, sofá, cadeiras, TV, enfim, móveis em geral. Fomos também dar uma olhada nessa casa, fizemos a proposta do aluguel no mesmo dia e fomos aprovados no dia seguinte – isso foi no nosso quarto dia no Canadá!

No dia 1o. de agosto nos mudamos para essa casa de três quartos, com um quintalzinho e jardim atrás, onde dá pra fazer um churrasquinho no verão – já compramos até churrasqueira! Ela fica num condomínio bem bacana onde mora um outro casal amigo (Renata e Dory), e fica localizada em Mississauga, uma cidade a 30/40 minutos de Toronto. É bem pertinho mesmo e tem até o GO Train que vai daqui pra Toronto e muita gente usa pra ir trabalhar.

A “mudança” foi super tranquila, pois os móveis estavam todos na garagem dos vizinhos Renata e Dory, e com ajuda dos nossos amigos (André e Gabriele, Felipe, Daniel, além da Renata e do Dory), em meia hora já estava tudo dentro de casa.  Agora era “só” montar tudo. E por montar, entenda-se MONTAR MESMO! Desde colocar os pés no sofá até montar a mesa do computador, cadeiras, cômoda, mesinhas de cabeceira! Uma canseira, mas agora a casa já está com a nossa cara e podemos receber os amigos e os visitantes que vierem se hospedar conosco.

Temos feito muita coisa por aqui, pois é o país do “do it yourself” MESMO! Na IKEA, uma loja estilo Tok&Stok, por exemplo, onde compramos a maioria dos móveis, você vai vendo o que gosta dentro da loja, anota num papel e depois vai pro estoque pegar o que escolheu. É tudo muito bem organizado, por corredores e prateleiras, então é muito fácil de achar. Depois você leva aquelas caixas enormes (imagina o tamanho da caixa do sofá!?) pra pagar e pode ter tudo entregue em casa, mas tem que pagar uma taxa – algo em torno de 60 dólares canadenses. A única diferença é que eles não montam nada, você tem que montar tudo, mas os manuais são super bem explicados e conseguimos montar todos os móveis sem nenhuma dificuldade.

E agora que a casa já está montada – estão faltando só alguns pequenos itens que iremos comprando aos poucos – o foco vai ser todo voltado para a procura de emprego. Na semana que vem faremos o “Language Assessment Test”, teste de nivelamento de inglê,s para podermos nos matricular em cursos do governo que ajudam a ajustar o currículo e a procurar oportunidades de trabalho. Vamos fazer também um workshop de “job search” no final de agosto aqui pertinho de casa e também na última semana do mês faremos o teste prático pra tirar a carteira de motorista nível G (Fizemos o teste teórico ainda nas primeiras semanas que estávamos em Toronto e conseguimos a carteira G1, mas para poder dirigir sem restrições por aqui é preciso ter a carteira G ou G2).

Enfim, essas são as novidades. Não temos postado muito aqui no blog por motivos óbvios, mas vamos tentar manter nossos leitores a par de tudo sempre que possível, OK?

Beijos ,

Andréa

News roundup 3

Eis os “achados” dessa semana… não tem muita coisa, eu sei, mas é que estamos tão ansiosos pela chegada do pedido de exames que tem sido difícil pensar em outra coisa que não seja no carteiro entregando um envelope reciclado no nosso prédio! Mas não vale envelope do Banco Real… hehehehehe…

1) Studies show Canadian immigration necessary to boost ageing labour market - http://www.nicknoorani.com/2009/04/studies_show_canadian_immigrat.php

O blog do Nick Noorani é focado em imigração e tem muitos posts que falam sobre a necessidade de o Canadá continuar incentivando a entrada de imigrantes. Nos próximos 30 anos, segundo um estudo da instituição Urban Futures, a população economicamente ativa do país diminuirá em 58% e uma das soluções é encorajar estrangeiros a morarem no país. Ou seja, todas as especulações de que o Canadá fecharia as portas aos imigrantes são,  no mínimo, sem reflexão alguma, pois o país tem uma taxa de natalidade muito baixa e não conseguirá manter-se economicamente viável com uma população pequena e de idade avançada.

2) Oi Toronto - http://www.oitoronto.ca/

Fiquei conhecendo hoje esse site. Ele tem por objetivo funcionar como uma conexão entre os brasileiros que moram na cidade e o que a cidade tem a oferecer. Vale a pena dar uma olhada! Já coloquei no Google Reader pra não perder nenhum post.

Por hoje é só pessoal. As energias estão se esgotando, mas espero renová-las no sábado, no encontro mensal dos imigrantes cariocas. Espero ter boas notícias até lá!

Beijos,

Andréa

Hot child in Mississauga

A cidade em que vamos morar no Canadá chama-se Mississauga, a cerca de 30 minutos de Toronto e com uma população de aproximadamente 700 mil habitantes, a 6a maior cidade do país e 3a maior da província de Ontario. Mas o que faz com que Mississauga seja uma cidade peculiar é sua prefeita, Hazel McCallion, de 88 anos! O vídeo abaixo é uma entrevista com a prefeita exibida num programa bem conhecido no Canadá, o Rick Mercer Report.

Além de competente – a cidade está livre de débitos e a prefeita tem aprovação de 92% dos eleitores -, ela é muito ativa e bem-humorada!

Beijos,

Andréa

News roundup 2

Conforme prometido, embora não na data combinada nem com a frequência desejada, consegui mais algumas notícias interessantes para colocar no blog. Afinal, não dá pra ficar só reclamando que o pedido de exames não chega…

1) Pra comer sem medo em Toronto: http://app.toronto.ca/food2/index.jsp

Vi no blog Maple Brasil um post interessante sobre a vigilância sanitária em Toronto. O site indicado acima tem uma lista dos restaurantes que já foram vistoriados e se passou na vistoria, se caiu em alguma exigência ou se foi fechado. Existem várias maneiras de se fazer a pequisa – por nome, por região – e o usuário pode escolher onde comer sem medo de passar mal!

2) É ilegal lavar o carro na rua/garagem? http://www.wheels.ca/articlecategory/article/527593

Essa foi o maridão que me mandou. Segundo a matéria,  em Toronto, Calgary e outras cidades não é permitido o proprietário lavar seu próprio carro em casa ou na calçada. Alega-se que isso polui os rios, o que é verdade. As autoridades recomendam que os proprietários lavem seus carros em lojas especializadas em vez de usar balde e esponja. No entanto, ainda segundo a matéria, não se tem notícia de que alguém tenha sido multado por lavar o carro em casa… Ainda bem!

3) Ótimas dicas sobre “appliances” - http://paulistanosnumafria.blogspot.com/2009/03/guia-de-appliances-parte-1.html

Mais uma excelente série de posts do blog Paulistanos numa fria. Esse casal de Ottawa costuma colocar posts bem interessantes e informativos. É por esse motivo que os tenho tanto por aqui. A Juliana trabalha na Future Shop e dessa forma fica sabendo de uma série de detalhes aos quais o consumidor comum não tem accesso, ou não presta muita atenção. Vale a leitura dos dois posts sobre o assunto.

Por hoje é só! Se pintar mais alguma coisa que seja útil, coloco aqui na semana que vem.

Beijos e um ótimo final de semana,

Andréa

Economizando energia em Ontário

Li hoje no blog Paulistanos numa fria uma dica bem legal sobre a energia elétrica na provínciasafe_money_device_238720_l de Ontário. Vejam só que legal:

“… o preço da energia elétrica aqui em Ontário (não sei como funciona em outras províncias) varia conforme a hora do dia, durante o dia é mais caro, depois da meia noite custa quase metade do preço do horário de pico. Ou seja, se der pra utilizar eletrodomésticos que gastam mais energia como lava-louças ou máquina de lavar e secadora depois da meia noite vc economiza na conta de Luz. Depois que soube disso aqui em casa a lava-louças só é ligada quando está cheia e depois da meia-noite, deu pra notar uma diferença no valor da conta. Por causa disso, alguns eletrodomésticos já vem com timer (na maioria lava-louças) assim vc pode programar o eletrodoméstico para ligar sozinho depois da meia noite.”


Ou seja, nada de colocar máquina de lavar roupa ou lava-louças pra funcionar durante o dia!
Beijos,
Andréa

Bilingualismo

Como se sabe o Canadá é um país bilingue (ai, que falta eu sinto do trema…), em que fala-se o inglês e o francês. Todos os serviços do governo, atrações turísticas, embalagens de produtos etc têm que ser oferecidos nos dois idiomas.

Mas na prática esse bilingualismo não acontece no país inteiro. Achei uma tabela do site oficial Canadian Heritage que demonstra bem como é essa divisão dos falantes das duas línguas.

Província

Falam francês

Falam inglês

Newfoundland & Labrador

1 933 (0,4%)

497 913 (99,5%)

Prince Edward Island

5 133 (3,8%)

129 028 (96,1%)

Nova Scotia

32 225 (3,6%)

869 565 (96,3%)

New Brunswick

235 128 (32,7%)

483 843 (67,2%)

Quebec

6 373 228 (85,6%)

994 723 (13,4%)

Ontario

537 595 (4,5%)

11 230 380 (93,4%)

Manitoba

43 118 (3,8%)

1 080 228 (95,3%)

Saskatchewan

14 850 (1,6%)

935 870 (98,1%)

Alberta

62 785 (1,9%)

3 154 385 (96,9%)

British Columbia

61 735 (1,5%)

3 891 890 (95,5%)

Yukon

1 185 (3,9%)

28 890 (95,7%)

Northwest Territories

1 005 (2,4%)

39 730 (96,8%)

Nunavut

425 (1,4%)

26 615 (90,7%) 

Totais

7 370 343 (23,6%)

23 363 058 (74,8%)

Dá pra  notar que a província onde se fala mais francês é Quebec (85,6%) – é claro! – contra somente cerca de 14% que falam inglês.  New Brunswick também tem uma porcentagem grande da população que fala francês (32,7%) e por isso é considerada a única província genuinamente “bilingue”.

Em todas as outras, a presença do inglês é marcante. Dá para notar pelo total que mais de 74% da população do país fala inglês.

Beijos e um ótimo final de semana para todos!

Andréa

Quebrando barreiras

O jornalista Steve Paikin tem um programa no canal TVO chamado “The Agenda“, onde ele faz entrevistas com personalidades sobre assuntos sempre interessantes.

Lendo um dos blogs do Gean hoje, vi que ele colocou um post com o link para um programa que foi exibido recentemente em que o Steve Paikin entrevista uma pesquisadora da Universidade de Toronto sobre as barreiras enfrentadas pelos imigrantes no mercado de trabalho de Toronto.

Assisti ao programa e é muito bom. Recomendo a todos que assistam e vejam as conclusões importantes do estudo. Quem quiser, pode inclusive ler o estudo completo nesse link.

Mas em resumo, o que a pesquisadora concluiu foi que as principais dificuldades do imigrante são causadas por:

  • Reconhecimento de credenciais
  • Conhecimento do idioma
  • Exigência de experiência canadense
  • Discriminação contra imigrantes

É claro que todos os que desejam imigrar para o Canadá já sabem disso, mas o que eu achei mais interessante foi saber que esse assunto é discutido pela sociedade, é tratado em programas de TV e não fica só no imaginário de quem está imigrando.

A pesquisadora também elogiou muito a organização Triec, uma das diversas ONGs que ajuda na adaptação do imigrante ao mercado de trabalho.

Tentei colocar o vídeo aqui, mas não consegui. O WordPress às vezes é meio chatinho pra essas coisas. Mas quem for lá no blog do Gean vai conseguir ver direitinho. Enjoy!

Beijos,

Andréa

Recomeçar do zero

Uma das coisas que mais me perguntam sobre esse processo de imigração é: Como é que vocês vão fazer lá? Vão sem emprego? Vão ter que procurar uma casa pra morar? Vão vender tudo aqui e comprar de novo lá? Não é arriscado?

A resposta é simples, mas não faz com que a situação seja menos complexa: vamos começar do zero. Sem histórico de crédito, sem emprego, sem documentos (vamos ter que fazer até prova para tirar carteira de motorista!).

Mas é assim que todo imigrante recomeça sua vida num novo país; não tem como ser diferente. Se a pessoa quer viver em outro país, vivenciar essa experiência, vai ter que passar por isso. O importante para conseguir passar por essa primeira fase é muito planejamento e obter o máximo de informação.

E na minha leitura diária de blogs, me deparei com algumas coisas importantes no blog The simple dollar que podem ajudar a sair de uma situação difícil. No post publicado hoje o autor do blog fala sobre o livro Scratch beginnings, de Adam Shepard, que conta sobre sua experiência de começar de novo, do zero (“start from scratch”), com meros 25 dólares, uma mochila de roupas e sem utilizar nenhum de seus contatos pessoais, para ver até onde ele chegaria em um ano.

Apesar de ser homem, branco, ter educação de nível superior, ou seja, diferenciais que podem tê-lo ajudado nessa experiência, o autor do livro acredita que com algumas ações básicas é possível que qualquer pessoa consiga recomeçar do zero. Ele conseguiu.

Pratique a frugalidade. Corte todo e qualquer supérfulo que possa, mesmo que considere humilhante ou abaixo de seu nível. More em um abrigo se for necessário ou em um apartamento bem pequeno.

Faça uso de programas sociais. Se você tiver direito a algum programa de ajuda social, use-o, pois ele existe para ajudá-lo. Tire vantagem de todos eles. Com frequência existem muitos programas disponíveis para pessoas em situação de desvantagem (minorias).

Comunique-se. Faça tudo o que puder para se reunir com pessoas na mesma situação e compartilhe ideias. 

Não culpe os outros. Com certeza outras pessoas podem ter algumas vantagens que você não tem. Mas essa vantagem inerente não é culpa sua, nem do outro. É somente um fato da vida. Em vez de ficar se remoendo, encontre seu próprio caminho.

Em qualquer situação em que se esteja, a pessoa sempre tem a capacidade de tentar algo diferente para melhorar as coisas, seja procurando ajuda psicológica ou diminuindo seus gastos. É essa a lição do livro e vai muito além do fato de que algumas pessoas possuem vantagens inerentes sobre outras.

E nós, como futuros imigrantes, teremos que passar por situações difíceis em que talvez seja necessário lançar mão de uma ou mais dessas dicas.

É claro que vamos nos preparar ao  máximo para que isso não seja preciso, mas é sempre bom ter em mente que há soluções, mesmo para as situação mais extremas.

 

Beijos,

Andréa

Canadá tem o 3o maior IDH

A ONU, através de sua agência de desenvolvimento (UNDP) acaba de divulgar o ranking do IDH para 2008 e o Canadá ficou em terceiro lugar, atrás apenas da Islândia e Noruega.

O IDH – Índice de Desenvolvimento Humano – é um índice que mede as conquistas de um país em três aspectos básicos do desenvolvimento humano: saúde, conhecimento e um padrão de vida decente.  O objetivo do IDH é estimular discussões de políticas globais, regionais e nacionais sobre as questões que são relevantes para o desenvolvimento humano. O IDH é publicado todo ano, desde 1990.

O IDH possibilita compor uma média para três dimensões do desenvolvimento humano: viver uma vida longa e saudável (medida pela expectativa de vida), ter acesso à educação (medida pelo nível de alfabetização de aultos e o número de alunos nos níveis primário, secundário e universitário) e possuir um padrão de vida decente (medido pelo poder de compra, renda).

Alguns dados da pesquisa sobre o Canadá:

  • Expectativa de vida: 80,3 anos
  • Renda per capita: US$ 33.375,00
  • Percentual de matrículas nos níveis primário, secundário e universitário: 99,2%
  • População: 32,3 milhões
  • Taxa de crescimento anual da população: 0,9%
  • População urbana: 80,1%
  • População com menos de 15 anos: 17,6%
  • População acima de 65 anos: 13,% (até 2015 espera-se que esse percentual chegue a 16,1%)
  • Gastos públicos com saúde: 6,8% do PIB
  • População com acesso a saneamento: 100%
  • População com acesso a fonte de água tratada: 100%
  • Gastos públicos com educação: 12,5% dos gastos do governo
  • Taxa de alunos matriculados no ensino primário: 99%
  • Taxa de alunos matriculados no ensino secundário: 89%

A lista é  enorme e esses são somente os tópicos que mais me chamaram a atenção. Pra quem quiser ler e entender mais, é só acessar a página da UNDP que lá tem muito mais informação.

Beijos,

Andréa

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.