Natal em Toronto

Nossa noite de Natal foi bem tranqüila, como já esperávamos. A família que nos hospedou é católica – mãe e os quatro filhos – e hindu (pai e sogra), e como a parte católica é mais numerosa, fomos a uma missa numa igreja linda perto de casa. O único problema é que a igreja fica numa comunidade italiana e em alguns horários do dia a missa era em italiano. Adivinha em que missa acabamos indo??? Em italiano, é claro!!! Eles não entenderam nada, mas eu e o Edu conseguimos pescar algumas coisas, pois italiano é muito parecido com português, afinal.

Depois da missa, voltamos pra casa para ceiar – com direito a peru assado etc… – e lá pra meia-noite trocamos presentes. Todos adoraram as Havaianas que trouxemos!

No dia seguinte, fomos almoçar na casa do Flávio e da Márcia, nossos amigos de Missisauga. Quase todos os brasileiros que conhcemos no início de nossa viagem estavam lá, além de um casal egípcio (o rapaz trabalha com o Flávio). Ou seja, mais uma mistura de culturas… Depois do almoço, as pessoas já bem animadas, começou uma sessão de dança. Primeiro duas, depois três pessoas, dançando funk, samba, macarena… Um barato! Os egípcios estavam curtindo essa animação. As fotos estarão no fotolog em breve.

Ontem, dia 26, é o dia do “Boxing Day”, ou seja, um dia em que as grandes lojas colocam vários produtos em oferta. E é claro que fomos conferir. Acordamos às seis da manhã e fomos pra Future Shop, pois o Edu tinha visto várias coisas interessantes lá. Chegamos lá umas seis e meia e tinha fila na porta!!! Acreditem!!! Estava escuro ainda, o maior frio e o povo esperando pra entrar. As lojas abrem às seis, mas vão deixando as pessoas entrarem aos poucos. Mas até que não foi tão ruim assim. Entramos depois de uns quinze minutos e em meia hora já tínhamos encontrado os itens que queríamos comprar, pagamos e fomos embora – depois de enfrentar uma outra filinha básica, é claro!

E hoje é nosso último dia por aqui. Está nevando, então acho que vamos ficar em casa finalizando as arrumações de mala.

Nossa viagem foi muito proveitosa, aprendemos muito sobre a cidade, sobre o Canadá, vimos alguns bairros, checamos o transporte, vimos escolas, enfim, um pouco do que vamos ter que enfrentar quando viermos pra valer. Além disso, também curtimos nossas merecidas férias, fizemos compras ótimas e conhecemos os pontos turísticos mais importantes. Enfim, resultado super positivo e agora é aguardar o visto!

Acho que esse é nosso último post do Canadá. Depois mandaremos notícias do Rio.

E para o pessoal do nosso grupo aí no Rio, podem começar a organizar o próximo encontro, pra podermos contar as novidades pessoalmente, mostrar tudo o que obtivemos de informação, jornais, revistas e fotos, é claro!

Beijos e Feliz 2008 pra todos nós!

Andréa

Moqueca canadense

É isso mesmo, ontem, dia 23, fizemos uma moqueca em pleno Canadá, mesmo não tendo todos os ingredientes necessários. Nosso anfitrião, meu chefe, é louco por moqueca e estávamos conversando sobre culinária brasileira no almoço quando ele perguntou se seria muito difícil fazer uma moqueca para o jantar… E aceitamos o desafio.

Fomos a uns 3 supermercados daqui pra tentar achar os ingredientes, mas azeite de dendê e farinha de mandioca foi impossível encontrar. Se tivéssemos tido mais tempo, poderíamos ter ido até o bairro português, onde seria mais fácil tentar achar esses ingredientes. Mas mesmo sem esses itens a moqueca foi um sucesso. Fizemos com peixe e camarão e o pessoal adorou! Disseram até para o Edu abrir um restaurante aqui, já que ele tem tanto talento pra cozinhar… hehehehehe! Quem sabe, no futuro…

E hoje, véspera de Natal, ficamos por aqui mesmo, pois está o maior frio, ventando muito e mais tarde teremos a ceia. Amanhã iremos nos encontrar novamente com os brasileiros que moram em Mississauga. Depois postamos as fotos de ambos os eventos, OK?

Beijos e abraços para todos e um ótimo NATAL!!!

Andréa

Niagara Falls “on the rocks”

Pois é, pessoal, foi assim que vimos as cataratas do Niagara – literalmente “on the rocks”, ou seja, gelo puro… Não as cataratas em si, mas tudo em volta. Vamos colocar as fotos no fotolog amanhã, pois já está meio tarde, OK?

A cidade vive só do turismo e nessa época de inverno não tem quase visitantes, uma pena. Também, pudera! Fica tudo congelado e faz um frio danado! Mas apesar do gelo e da neve, a cidade fica linda, tudo branquinho. Posso imaginar como é no verão. Deve ser lindo!!

Nossa viagem foi super tranqüila e chegamos lá em menos de duas horas. As estradas – é claro – todas ótimas e em alguns trechos com algum tráfego devido ao grande número de caminhões (E que caminhões! Todos enoooooooooormes! Dá até medo de andar ao lado deles!). Chegamos na quinta-feira mais ou menos ao meio-dia e meia, deixamos as coisas num hotel – que o chefe conseguiu um precinho camarada – e fomos almoçar num restaurante japonês.

Depois do almoço, fomos ver as cataratas e tiramos muitas fotos. Apesar do frio, a vista é linda! E os americanos devem ficar com água na boca, pois a melhor vista é daqui do Canadá… hehehehe!!! Ou seja, eles têm que vir até aqui para verem a melhor parte. Devem se roer de inveja!

À noite fomos no cassino – enorme, por sinal, parecia que estávamos em Las Vegas. Jogamos cinco dólares numa daquelas máquinas caça-níquel e não ganhamos nem um centavo… Mas tudo bem, valeu a distração! Depois disso fomos dar mais uma volta pela cidade para ver as cataratas iluminadas e é mesmo lindo! Eles colocam canhões de luzes coloridas bem em cima delas, que dão um efeito muito bonito!

Hoje pela manhã tomamos um brunch num restaurante chamado Applebee’s e pegamos o caminho e volta. De novo, super fácil e tranqüilo, sem problemas. Só pegamos trânsito já chegando a Toronto.

E hoje à noite teve outra festinha aqui na casa do Dhiren e da Imee – dessa vez veio o pessoal do escritório da empresa aqui em Toronto. Tivemos um jantar maravilhoso e mais uma vez multicultural – canadenses, chineses, indianos, filipinos e nós!

Bom, por hoje é só. Vamos colocar as fotos no fotolog amanhã, para vocês verem Niagara Falls no gelo!

Beijos,

Andréa

Sexto post do Canadá

A segunda-feira foi bastante corrida. Fomos ao Eaton Centre comprar algumas coisas. Algumas para a gente, outras encomendas de familiares e amigos. E tenho boas notícias para contar sobre isso.

Assim que chegamos, fomos até a Best Buy. A loja estava lotada pois era horário de almoço. Até conseguirmos ver tudo o que queríamos, gastamos cerca de uma hora dentro da loja. Fomos também na Canadian Tire, na Future Shop, na Sears e na Sport Check. É sempre bom ficar de olho nos preços antes de comprar, pois pode haver alguma promoção. E depois de comprar também, já que podemos pedir o reembolso da diferença caso o preço caia.

Compras feitas, na hora de voltar pra casa (não queríamos pegar o metrô e ônibus na hora do rush com muitas sacolas) resolvemos pegar um taxi. O Eaton Centre fica em downtown e iríamos para Richmond Hill. Ficamos um bom tempo esperando por um taxi (acho que uns 25 minutos). Dentro do taxi, pegamos um baita engarrafamento na Yonge, rumo ao norte. Ficamos dentro do taxi aproximadamente uma hora e meia. E pagamos uma nota preta: $70,00.

Já nesta terça resolvemos alugar um carro para andar pela região de North York. E aqui vai um conselho para todos: reservem o carro antes de irem para a locadora. A casa onde estamos é perto da Yonge. E vimos que tem quatro locadoras “perto”. Aí fomos andando na neve até elas. Fomos até a Discount e não tinha carro disponível. Aí passamos pela Budget e pensamos: “É caro, vamos ver nas outras duas”. Fomos na Enterprise. Só tinha uma picape enorme e cara. Fomos até a Avis. Não tinha nenhum carro, só dali a duas horas. Aí tivemos que ir na Budget.

Lá havia dois carros disponíveis: um Chevrolet Cobalt por $41,00 a diária e um Chevrolet Impala por $47,00. Claro que escolhi o Impala. Até que os preços estavam compatíveis com os concorrentes. De carro, fomos almoçar no Hillcrest Mall, em Richmond Hill. Aproveitamos e fomos na GAP e vimos umas promoções maneiras. Depois partimos para North York.

Em North York, começamos a andar de um lado para o outro. Não é muito complicado, mas é tudo muito grande. Entramos por algumas ruas e avenidas da localidade. Muitos prédios novos ou em construção. Um mais belo que o outro. Muitos shoppings, supermercados, lojas de ruas, estações de metrô, ônibus etc.

Novas fotos no fotolog.

Abs!

Quinto post do Canadá

Bom, quem novamente vos fala é o Eduardo. São exatamente 15h16 e não pudemos sair de casa hoje. Estamos no meio de uma tempestade de neve. Bem, embora tenha neve pra cacimba lá fora, é muito perigoso sair de casa de carro ou qualquer outro meio de transporte que não seja as próprias pernas. Fora isso e o frio desgramado (-8C e sensação térmica de -17C), tá tudo certo. Nossa programação de hoje era sair com a Vanessa e o Kent (que não é o Clark) para tomarmos um brunch e irmos a alguns parques. Mas foi adiado em uma conferência entre as “madamas”. Então vamos falar um pouco de ontem.

Neste sábado, o nosso anfitrião chegou. O Dhiren estava no Brasil e embarcou na sexta-feira de noite. E como a sorte o acompanha de forma calorosa, a tal tempestade de neve chegou apenas após a sua chegada. E desde o sábado a noite, nenhum avião pousou ou decolou em Toronto. Falando no sábado a noite, ontem houve uma festa de inauguração da nova casa do casal Vasa. Muita pessoas, crianças e muita comida. Parecia festa da família Reznik. Festa com 30 pessoas e comida para 150. E eu e a Andréa fizemos uma comida “tradicional” brasileira: caldinho de feijão. E para explicar a palavra caldinho para eles?

Bem, teve que virar uma “sopa”. Virou a Brazilian soup. Mas tudo bem. Fez um baita sucesso. E como muitos não comem carne por conta da religião, fizemos sem carne, podendo colocar depois de pronto. Pois bem, depois disso, houve uma pequena celebração de natal, pois muitos não vão estar aqui para as comemorações. Foi bem legal. Todos são bem humorados e muito receptivos. E antes da festa, eu, Andréa e o Dhiren fomos ao LCBO, a loja que vende bebidas alcólicas no estado de Ontário. Os preços até que são razoaveis e a variedade é bem grande. Tem de licor a vodka, passando por vinho, whisky e rum. Tenho até cerveja, mas cerveja pode ser vendida em uma loja chamada “The Beer Store”. E só pode comprar apresentando carteira de identidade. Depois fomos ao Loblaw, supermercado. Fomos comprar salsa, cebolinha e sorvete. Nos caixas, trabalhando, apenas adolescentes. Muito interessante. Todos muito educados e compenetrados no trabalho, sem brincadeiras entre si.

Durante a festa, caiu a tal tempestade. A única coisa que estranhei foi a queda muito grande da temperatura. Eu conheço as tempestades cariocas, de verão. Em 20 minutos, cai água pra cacimba. Aqui não nevou tanto em pouco tempo, mas fica muito tempo nevando a mesma quantidade. E tava tanto frio que colocamos a cerveja e o refrigerante para gelar na varanda. E funcionou muito bem!

Assistindo agora o canal CP24, só de notícias, a previsão é que a média de neve continue até a madrugada de domingo para segunda – entre 2 e 4 cm por hora.

Alguns preços:
– Coca-cola 2L – $0,99
– Azeite extra virgem 1L – $8,49
– Pão de forma integral – $2,09
– Alface – $1,29

Mais tarde vou colocar mais fotos no fotolog.

Abs!

Quarto post do Canadá

Pessoal, hoje quem escreve é Andréa. Finalmente encontrei um tempinho… O Eduardo tomou conta do laptop o tempo todo! Hehehehe…

Ontem ficamos toda a manhã em casa, pois estava bastante frio. Só saímos à tarde para encontrar com o Flávio, um brasileiro que mora em Mississauga e que conhecemos no grupo Canada Immigration. Fomos de ônibus e metrô até a Union Station, estação de trem que tem os trens para o “subúrbio” daqui e também os trens intermunicipais.

Pegamos o trem das 18h10 e a Marcia, mulher do Flávio, nos buscou de carro na estação em Mississauga. Às 19h já estávamos na casa deles. Por sinal, uma casa muito confortável e aconchegante. Por volta das 20h fomos para a casa do casal Edward e Jaqueline, onde seria o encontro dos brasileiros.

O encontro foi muito bacana, trocamos muita informação com várias pessoas e adoramos tê-los conhecido. Vários casais têm filhos adolescentes. Flávio e Marcia, Edward e Jaqueline, Francisco e Luciana… Ou seja, a Bia vai ter muitos amigos por aqui…!

Enfim, foi uma noite super agradável e no final, Flávio e Marcia nos trouxeram de carro. Ainda bem! Estava fazendo -12 graus com sensação de -20!!!!

E hoje à noite estamos esperando a tal “tempestade de neve”. Vamos ver se ela chega mesmo. Dizem que vamos ter mais de 25cm de neve acumulada nas ruas! Uiiiiiiiiiiii! Que frrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrio…!

Hoje devemos ficar o dia todo em casa. A temperatura está por volta de -11 graus e temos que preparar um caldinho de feijão para a festinha que teremos hoje à noite aqui na casa do Dhiren. Se saírmos será só rapidinho, pra comprar alguma coisa que esteja faltando para o caldinho.

Amanhã a Vanessa (minha ex-estagiária do Brasil) e o Kent (namorado dela) vão passar aqui pra nos pegar. Vamos comer um brunch em um restaurante que eles conhecem e depois vamos passear pela cidade.

Depois contamos como foram a festa e o passeio.

Tem mais fotos no fotolog

 Beijos,

Andréa

Viagem de reconhecimento – Toronto

Para quem ainda  não sabe, estamos partindo para nossa viagem de reconhecimento do Canadá no dia 9 de dezembro.  Vamos passar 17 dias  em Toronto – incluindo o Natal (tomara que tenhamos um White Christmas, com neve e tudo!) – e temos uma agenda intensa. Além de tentar visitar alguns pontos turísticos da cidade, que não são poucos, vamos fazer muitas pesquisas: bairros, apartamentos/casas, escolas, supermercado, transporte…

Pretendemos também visitar algumas cidades próximas, como Mississauga, Barrie, Hamilton etc. Além disso, queremos encontrar como nossos amigos de outros blogs que já moram lá, e os que participam do grupo do Yahoo (Canada Immigration).

Com certeza teremos muitas fotos e informações para postar aqui no blog. Vamos tentar postar durante a viagem, mas não temos certeza se vai dar tempo.

O tempo está passando super rápido e no domingo da próxima semana já embarcamos! Nossa! Noutro dia estávamos começando a planejar a viagem, comprando a passagem em um  milhão de vezes, fazendo mil cálculos para conseguir juntar uma grana, tirando o visto de turista… Enfim, agora estamos quase lá.

Beijos,

Andréa