Dirigindo no inverno canadense

O inverno ainda não chegou oficialmente no Canadá – ainda é outono -, mas as temperaturas já baixaram bastante por lá e já houve alguma precipitação de neve. Ou seja, esse inverno promete! Talvez seja mais rigoroso do que o inverno passado, que registrou recordes de neve!

Hoje estava lendo o jornal The Star e achei uma matéria muito bacana com dicas de segurança para dirigir na neve/no inverno. Para quem já está em terras geladas, são dicas muito importantes e devem ser levadas a sério.

 

 

  • Instale pneus de inverno (winter tires) – Os pneus especiais para inverno oferecem até 40% a mais de tração do que os pneus “all season”, ou seja, pneus que podem ser usados em qualquer estação. Este tipo de pneu fica comprometido em temperaturas abaixo de 7º C, pois a borracha endurece em temperaturas muito baixas. Já os pneus especiais para inverno são feitos com compostos de borracha que proporcionam tração mesmo em temperaturas de até – 25º C. Além disso, algumas seguradoras oferecem desconto para quem utiliza esse tipo de pneu. Em Québec há uma lei que obriga os proprietários de automóveis a instalar esse tipo de pneu durante o inverno. Daqui a pouco essa  lei pode se estender às outras províncias. 
  • Verifique se os orifícios do jato de água do parabrisa não estão bloqueados e também cheque as borrachas dos limpadores do parabrisa. Certifique-se que há bastante fluído anti-congelante e mantenha um par de óculos de sol dentro do carro, para ajudar a dirigir em dias de sol forte e com neve nas ruas/estradas.
  • Leia novamente o manual do carro para checar como diminuir o embaçamento dos vidros. Use o ar condicionado no inverno como um desumidificador.
  • Verifique se todos os faróis e lanternas estão funcionando corretamente, para que seu veículo esteja sempre bem visível para outros veículos.
  • Para ter certeza de que seu carro irá ligar mesmo nas manhãs mais frias, verifique se a bateria está em boas condições e limpe seus cabos e terminais.
  •  Óleos sintéticos não congelam em temperaturas baixas, ao contrário do que acontece com óleos convencionais. Assim, eles ajudam a dar partida no carro e na lubrificação em épocas de muito frio.

 

A preparação do veículo é só a metade do caminho. Mais importante ainda é a preparação do motorista. Devemos estar adaptados a dirigir com tração limitada. As condições das ruas e estradas podem mudar em questão de alguns metros.

 

  • Caso não saiba como dirigir sob as novas condições ou não tenha segurança para tal, matricule-se numa auto escola especializada em direção no inverno, para aprender a dirigir com tração lmitada.
  • O motorista precisa focar na direção para verificar as mudanças nas condições do tempo e então processar a informação, efetuando ajustes. Não distraia sua atenção com celulares, instrumentos de  navegação ou passageiros.
  • Nunca dirija usando casacos de inverno ou botas. Ao entrar no carro depois de retirar a neve do parabrisa, tire o casaco e as botas e dirija somente com um sapato leve e um suéter. Não é fácil distinguir entre o pedal do freio e do acelerador usando botas pesadas de inverno; também é difícil saber a pressão adequada que deve-se aplicar nos pedais. Casacos grandes e pesados dificultam o controle do volante. Usando somente um suéter leve você ficará mais confortável e o cinto de segurança ficará mais bem ajustado.
  • Nunca dirija durante o inverno com menos de meio tanque de combustível. As estradas podem ser fechadas a qualquer momento e você pode ficar parado no meio do nada, sem nenhuma fonte de calor.
  • Verifique as condições do tempo antes de pegar a estrada. Se  houver avisos de chuva gelada, neve ou más condições de direção, fique em casa. Nada, nem mesmo o trabalho, vale arriscar sua vida.

 

E que venha mais neve!

Beijos e bom final de semana,

Andréa

 

E a tal carta chegou…

 

Pois é, recebemos a tal novidade do consulado: carta solicitando confirmação de intenção de continuar no processo.

E é claro que vamos continuar, né? Ou será que eles acham que agora que já esperamos 16 meses e meio iríamos desistir?? No way, dude!! Então, tratei de mandar um e-mail para a Maria João, informando que queremos continuar com o processo.

Aproveitei pra fazer a pergunta que não quer calar: o tempo de processamento realmente aumentou para 24 meses? E ela, de maneira simples e objetiva (por que não quero dizer que ela foi “curta e grossa”), respondeu, em inglês (não sei porque, pois perguntei em português), que o processo está levando ATÉ 2 anos…

Então é isso, pessoal. Tratem de se reprogramar, administrar a ansiedade, por que nenhum dos nossos planos anteriores parece que vai valer. Dezoito meses? Nem pensar!! Bota mais seis meses nisso!!

Segue abaixo  nosso timeline atualizado:

 

  • 11/06/2007 – Envio formulário ao consulado
  • 14/06/2007 – Data oficial de abertura do processo
  • 21/06/2007 – Recebimento da carta de confirmação de abertura do processo
  • 05/07/2007 – Passaportes prontos
  • 09/12/2007 – Viagem de prospecção a Toronto (20 dias)
  • 15/01/2008 – Recebimento de e-mail do consulado com pedido de documentos
  • 25/04/2008 – Envio dos documentos
  • 27/10/2008 – Recebimento da carta de confirmação de intenção em continuar no processo

 

Beijos,

Andréa

Louco? Eu?

Sei que estou muito tempo sem escrever no blog, mas a Andréa tem representado muito bem o casal com os seus posts (alguns sob a minha supervisão, é claro). Bem, o que vou relatar, na verdade, é mais um capítulo da violência urbana que atinge não só o Rio de Janeiro, mas todas as grandes cidades brasileiras.

 

No sábado à noite, a Bia foi para a casa de uma amiga na Tijuca, zona norte aqui do Rio. Por volta de 1h da madrugada, como combinamos, ela nos telefonou para irmos buscá-la. Pois bem, fomos buscá-la de carro e quando estávamos chegando em casa, na Rua Coelho Neto, havia umas quatro patrulhas da polícia militar e uns 10 policiais fortemente armados em volta de um homem caído, aparentemente baleado.

 

O homem me pareceu estar na casa dos 50 anos e estava relativamente bem vestido. Ao seu lado, estavam duas moças muito nervosas. Não vimos mais nada além disso, já que o trânsito fluía. O fato ocorreu a cerca de 300 metros do nosso prédio.

 

Um detalhe importante: a Rua Coelho Neto fica em frente ao Palácio Laranjeiras, onde o governador do estado trabalha. Por isso, tem sempre algumas patrulhas da PM na região. E a Rua Coelho Neto é recordista em assaltos a motoristas. Todos na região sabem, menos a área de “inteligência” da polícia.

 

Obviamente nada foi noticiado nos jornais ou internet. É apenas mais um caso que entra para a estatística.

 

Depois dizem que sou louco por querer ir morar no Canadá…

 

Gestação de elefante

O período de gestação do elefante africano é de 22 meses… e o “período de gestação” do visto de residente permanente para o Canadá, alguém sabe qual é??? Nossa “gestação” já está no 16o mês – completamos hoje, dia 14 de outubro – e nenhum sinal do consulado.

E agora, para deixar as pessoas mais confusas ainda, o consulado está enviando uma carta para que seja confirmada a intenção de continuar no processo ou não. Quem tiver desistido do processo e quiser ter as taxas pagas devolvidas, tem que se manifestar num prazo de 60 dias a partir do recebimento da carta, ou não terá mais direito ao ressarcimento por parte do consulado.

Nós não recebemos essa carta e não temos a menor idéia de qual é o critério do consulado para enviá-la…

Enfim, agora é respirar fundo e esperar um pouco mais… as contrações devem começar em breve… mas o parto ainda não tem data marcada!! Pelo jeito vai ter que ser cesariana!!

Beijos,

Andréa

Dia de eleições… no Canadá!

É claro que vou falar sobre as eleições no Canadá. Sobre as eleições aqui no Brasil, mais especificamente no Rio, não tenho palavras…

No Canadá o sistema de governo é parlamentarista. O atual Primeiro-Ministro, Stephen Harper, estava com minoria no Parlamento e não conseguia aprovar uma série de leis propostas pelo seu partido, o Conservador, então resolveu convocar eleições – ele tem o direito de fazer isso – para ver se conseguia aumentar o número de representantes. Segundo os especialistas, ele não vai conseguir, ou seja, vai voltar a ter os problemas que o levaram à convocação de eleições. 

Hoje, dia 14 de outubro, é o dia das eleições no Canadá, mas é considerado um dia normal de trabalho. Não é feriado, mas os empregadores têm que liberar os funcionários por até três horas, para que possam votar.

O sistema de voto canadense é distrital, em que cada partido tem somente um candidato no distrito eleitoral onde o eleitor mora. Não existe portanto a variedade de escolha como no Brasil. O candidato vencedor no distrito em que se candidatou se torna Minister of Parliament, abreviado como MP, o equivalente ao nosso deputado federal. O líder do partido com mais deputados eleitos se torna o primeiro-ministro. 

Os principais partidos no Canadá são o Conservative (Conservador, de centro-direita), o Liberal (centro), o NDP – New Democratic Party (Novo Partido Democrático, de centro-esquerda), o Bloc Québecois (que é o partido separatista do Québec) e o Green Party (Partido Verde). Os candidatos que concorrem com Stephen Harper, respectivamente por partido, são: Stéphane Dion, Jack Layton, Gilles Duceppe e Elizabeth May.

Somente podem votar os cidadãos canadenses. Imigrantes,  mesmo que com status de residente permanente, não podem votar. Mas aqueles imigrantes que já possuem cidadania podem – e devem – votar.

Para saber mais sobre o sistema eleitoral no Canadá, clique em http://www.elections.ca/

Beijos,

Andréa

Comendo bem, fazendo o bem

O trabalho voluntário é uma coisa que eu quero desenvolver no Canadá. Eu me interesso por isso há muito tempo, mas nos últimos anos tenho me envolvido em tantas outras coisas que não consegui me dedicar a nenhum trabalho voluntário. E também me preocupo com o que comemos, tanto que procuro, sempre que possível, comprar alimentos orgânicos – digo “sempre que possível” porque algumas vezes é inviável aqui no Brasil.

Pois hoje o Edu estava lendo um blog que fala sobre comida no Canadá e o assunto era fornecimento de produtos orgânicos. No post do blog havia uma série de links para vários sites nos quais você pode se cadastrar e solicitar os legumes, verduras e frutas da estação, produzidos por fazendeiros locais. Aí ele me passou os links para eu guardar no Delicious. Afinal, quem está a cargo da organização das informações lá em casa sou eu… heheheheh…

Pode parecer que estou mudando de assunto, mas não estou… É que um desses sites mencionados no post é de uma associação (Food Share) que se preocupa com todo sistema que envolve a alimentação: como a comida é produzida, distribuída e consumida. Para eles, a fome é só um sintoma de um sistema que é levado a tratar a comida como uma “commodity”.  A maioria das pessoas acredita que o acesso à alimentação é um direito básico do ser humano, mas a questão é como fazer disso uma realidade. E eles acreditam que mecanismos de distribuição sem fins lucrativos, como o Good Food Box, criado por eles, pode ser uma das soluções para um sistema mais justo, eficiente, saudável e ambientalmente viável.

Além disso, eles se preocupam com “com o que” e “como” é feito o acesso à alimentação. Seus projetos são todos baseados na premissa de que não se trata apenas de comida, mas também na divulgação do fato de que alimentos frescos e integrais são a chave para a saúde, o bem-estar e para a prevenção de doenças.

Enfim, uma organização que se preocupa com toda uma cadeia de eventos: a produção, a distribuição e a preocupação com o meio ambiente, com o bem-estar e a saúde!

Aí eu fui ler o site deles com mais atenção e descobri que eles são na verdade uma cooperativa que compra de produtores locais e distribui para quem se inscrever no programa. Mas eles não entregam na casa de cada participante. Eles têm voluntários que recebem as caixas com os produtos – como se fosse um centralizador – e cada participante busca sua caixa nesse local. E a cada 10 participantes num único local, eles entregam uma caixa extra, para ser distribuída entre os participantes ou doada para quem precisar. Além disso, eles conseguem muitas outras coisas: recentemente foram agraciados pela Canadian Breast Cancer Foundation com uma quantia para poderem doar cestas semanais a mulheres em tratamento de câncer de mama, entre outras atividades. Não é bem legal?

E não é só isso (parece até comercial da Poli Shop!)… A Food  Share faz workshops e cria publicações sobre diversos assuntos ligados a alimentação, jardinagem, receitas saudáveis. Uma infinidade de atividades que fazem a diferença na sociedade e no meio ambiente. Vale a pena dar uma olhada no site deles!

Eu e o Edu com certeza vamos participar e quem sabe até criar um ponto de recebimento em Mississauga! Nos aguardem!

Beijos,

Andréa