Dicas para o inverno – capítulo II

Continuando com nosso “serviço de utilidade pública”… segue a segunda parte das importantes dicas para sobreviver ao inverno canadense. A fonte ainda é o Paulo Dal Porto, do grupo Canada Immigration do Yahoo.

11. Se alimente bem, com comidas calóricas de preferência – principalmente
no café da manhã: tem que incorporar o café gringo: panquecas (com maple
syrup é uma delícia), ovos mexidos, bacon, sausage e café (chafé) e creme
(uma espécie de creme de leite).
12. Não saia de casa com o cabelo molhado (principalmente as mulheres com
cabelos longos que não cabem no gorro) – eles vão congelar.
13. Falam que chegar na casa ou num restaurante e não tirar o casaco é falta
de educação – como se o lugar não estivesse aquecido e confortável o suficiente.
14. Um “botão” é importante, cuidado com o gelo das calçadas (a neve que
descongelou e virou água e a água que congelou e virou gelo)… escorrega
pacas… escorrega mesmo.
15. Se tiver uma casa e der aquela nevasca, você deve tirar o gela da sua
calçada (pode-se pagar para adolescentes que fazem isso e no verão cortam a
grama e no outono limpam as folhas). Se alguém cair na sua calçada, pode dar processo.
16. Se for patinar em algum lago congelado, preste atenção no aviso da
profundidade do gelo naquele lugar. Se não tiver aviso, recomenda-se manter
distância.
17. Tenha sempre uma pá em seu carro.
18. Troque os pneus no inverno.
19. Os dias mais claros e com sol são os piores no frio (quando faz mais
frio).
20. Quem mora no Sul do Brasil, não ache que vai chegar lá com as roupas de frio nacionais e se virar. No Canadá o inverno pode chegar a -25ºC com sensação térmica de -33ºC (isso no Sul do Canadá, quanto mais ao Norte, pior vai ficando)…Isso é, faz frio pacas e se não se proteger direito pode ter problemas sim. Mas se protegendo, não tem problema não.

Abraços,

Andréa

Anúncios
Publicado em Inverno. 2 Comments »

A Copa do Brasil

Caros,

Não tinha como deixar de comentar o fato de o Brasil ter conquistado o direito de ser sede da Copa do Mundo de 2014. Quero comentar os dois lados, o positivo e o negativo. Vamos começar com o que parece ser o positivo.

Reformas de estádios de futebol, com mais conforto e civilidade para seus freqüentadores. Isto é bom para a parcela da população que gosta de futebol. Criará mais empregos (temporários, regulares, diretos e indiretos). Realmente isto acontecerá se o projeto for colocado em prática. Poderemos ter uma melhoria da infra-estrutura de transporte público no país, para a adequação ao padrão exigido pela FIFA. Haverá muitos visitantes, o que trará divisas internacionais para o Brasil. E o mais importante: a alegria do povo, muito sofrido com a violência, com a alta carga tributária, com o sistema se saúde público ineficiente e com péssimas políticas habitacionais e de educação.

O lado negativo vem da forma como foi conseguida a Copa do Mundo para o Brasil. Tradicionalmente, é feita uma votação nos países candidatos. E, nesta Copa, com o sistema de rodízio, deveria haver apenas países da América do Sul concorrendo. Mas, não se sabe como, o Brasil foi o candidato único da Commebol a postular esta vaga. O que será que aconteceu para a Colômbia desistir de tentar levar a copa de 2014? Não sabemos. Uma coisa que me preocupa é a famosa expressão “para inglês ver”. Aconteceu na Rio 92, aconteceu agora no Pan 2007. A linha de metrô prometida não saiu do papel, a segurança estupidamente armada tratou de segurar as coisas por um mês e nada daquele discurso de que esses eventos trariam melhorias para a infra-estrutura das cidades. Gostaria muito que isso mudasse, mas duvido imensamente.

Então a pergunta é: será bom termos uma Copa do Mundo? A minha resposta é: claro! A Copa de 2014 será como o Brasil é: bonito por fora mas com a mesma coisa gosmenta por dentro, que enoja a grande maioria honesta do Brasil. Mas a alegria do povo será muito grande. Aqui no Brasil, uma mão lava a outra.

PS: O Canadá estava na disputa para sediar o mundial feminino de 2011, mas a Alemanha levou a melhor. Que pena!

Abs,
Edu

Dicas para o inverno – capítulo I

A lista do Yahoo (Canada Immigration) tem sempre novidades e com o inverno no hemisfério Norte se aproximando, esse assunto começou a aparecer. Muita gente que já está no Canadá deu dicas importantes e interessantes, que vou começar a colocar aqui no blog. Não colocarei todas de uma vez pra não ficar cansativo, OK?

As dicas abaixo são do Paulo Dal Porto:

1. Compre botas com solado de borracha e com revestimento interno.
2. Chegando em casa (principalmente a de amigos), você deve tirar os sapatos e ficar de meia (e veja se a meia nao está muito suja…).
3. Ao chegar em lugares fechados (lojas, cafés, etc), não precisa tirar os
calçados, mas limpe bem no tapete que está na entrada.
4. Em alguns lugares tem uma pré-entrada – tire seu casaco e pendure (se
tiver cabides)… não se preocupe, quando voltar seu casaco vai estar no
lugar).
5. Não se preocupe em usar o mesmo casaco todo dia, geralmente o pessoal compra um casacão que resiste a temperaturas polares e usa o inverno todo (somente a roupa de baixo é que muda).
6. Compre aqueles “mijões”; quando sair e sentir o frio entrando nos furos
da sua calça, você vai sentir falta dele.
7. Compre algumas luvas com revestimento (se ainda sentir frio nas mãos, há
uns saquinhos com gel que uma vez agitados, eles esquentam).
8. Use cachecol, colocando de uma forma que tampe também o nariz (para os
dias com mais ventos e frio). Não respire pela boca, há pessoas que
respiram o ar gelado pela boca e isso dá um baque no pulmão.
9. Use gorro e cubra até as orelhas (o corpo perde muito calor pelo couro
cabeludo e é preciso manter o corpo aquecido). As orelhas, por serem
extremidades, pode acontecer de congelar e você nem sentir (elas vão ficar um
vermelhão só).
10. Cuidado com o “frozen byte”, suas mãos e pés podem congelar e mesmo com luvas não voltam a ficar aquecidas, nesse momento aqueles saquinhos são
muito importantes.

Depois coloco mais dicas…

Abraços,

Andréa

Publicado em Inverno. 1 Comment »

3o Encontro do Rio – Processo Federal

O encontro aconteceu no Botafogo Praia Shopping e sentimos muita falta de algumas pessoas, mas sabemos que nem todos puderam ir por motivos mais do que justos. Mas daqui a pouco teremos o 4o encontro, no final de novembro, com direito a comemoração de dois aniversários!

No encontro do último domingo (21/10), finalmente conhecemos o Sandro e família (Canadá… terra de sonhos) e o Vassia, de Niterói. E no próximo terá mais gente nova, com certeza!

Abraços!

Andréa

3o Encontro do Rio – Processo Federal

Pessoal, o terceiro encontro já está marcado para o dia 21/10, próximo domingo. O local ainda está sendo definido, mas gostaríamos que todos os interessados se manifestassem, OK?

Quem quiser pode colocar um comentário aqui mesmo.

Abraços e até lá!

Andréa e Eduardo

Glossário de legumes e verduras – Vol. I

Pra quem já está no Canadá ou ainda vai pra lá, uma ajuda interessante para a hora de fazer compras. Primeiramente vou postar os termos em Português e Inglês. Depois coloco aqui o contrário: os termos em Inglês e a tradução em Português. E aos poucos vou colocando outras coisas interessantes, nessa mesma linha. Aproveitem!

abóbora (Cucurbita spp.) – pumpkin, squash. The term abóbora, like squash and pumpkin in English, has no precise botanical meaning. It can refer to any fruit of the Cucurbita genus.
abóbora-cheirosa (Cucurbita moschata Duch.) – cashew squash
abóbora-menina, abóbora-grande (Cucurbita maxima Duch.) – hubbard squash, winter squash
abóbora-moranga (Cucurbita pepo L.) – pumpkin, summer squash
abobrinha (courgette in UK) (Cucurbita pepo var. melopepo) – zucchini
açafrão (Crocus sativus) – saffron
acelga (Beta vulgaris L. var. cicla) – chard, Swiss chard
agrião (Nasturtium officinale) – watercress
agrião-dos-jardins, agrião-da-terra (Barbarea verna) – early winter cress, early yellowrocket, winter cress, land cress, upland cress
aipim, mandioca (Manihot esculenta) – cassava, manioc, tapioca
aipo (Apium graveolens L. var. dulce) – celery
alcachofra (Cynara scolymus L.) – artichoke
alcaparras (Capparis spinosa L.) – capers
alcaravia (Carum carvi L.) – caraway
alecrim (Rosmarinus officinalis) – rosemary
alface (Lactuca sativa L.) – lettuce, garden lettuce
alface repolhuda, alface americana (Lactuca sativa capitata) – cabbage lettuce, crisphead lettuce
alface romana (Lactuca sativa var. longifolia) – cos lettuce
alfafa (Medicago sativa) – alfafa sprouts
alho (Allium sativum L.) – garlic
alho-porró, alho-poró, alho-porro (Allium ampeloprasum L.) – elephant garlic, broadleaf wild leek, wild leek, leek
almeirão, chicória (Cichorium intybus L.) – chicory
almeirão, endívia (Cichorium endivia L.) – endive
araruta (Maranta arundinacea) – arrowroot
arroz (Oryza sativa L.) – rice
arroz integral – brown rice
aspargo (Asparagus officinalis L.) – asparagus
aveia (Avena sativa L.) – oats
azeitona, oliva (Olea europaea) – olive
batata (Solanum tuberosum) – potato
batata-doce (Ipomoea batatas) – sweet potato
beringela (Solanum melongena) – eggplant (US), aubergine (UK)
beterraba (Beta vulgaris L.) – beet, beetroot
brócolis (Brassica oleracea L. var. italica Plenck ) – broccoli
broto de feijão (Vigna radiata L.) ou (Phaseolus aureus Roxb.) – bean sprouts, mung bean sprouts
cará-inhame (Dioscorea alata L.) – water yam, winged yam
cebola (Allium cepa L.) – onion
cebolinha, cebolinha comum (Allium fistulosum L.) – Welsh onion, green bunching onions, scallions
cebolinha verde, cebolinha (Allium schoenoprasum L.) – chives, wild chives
cenoura (Daucus carota L.) – carrot
centeio (Secale cereale L) – rye
cevada (Hordeum vulgare L.) – barley
chalota (Allium cepa var. ascalonicum) – shallot
chicória, almeirão (Cichorium intybus L.) – chicory
chirivia, pastinaca (Pastinaca sativa) – parsnip
chuchu (Sechium edule Sw.) – chayote, choko, mirliton
coentro (Coriandrum sativum L.) – coriander
cominho (Cuminum cyminum L.) – cumin, cummin
couve, couve-galega (Brassica oleracea L. var. acephala DC.) – kale, curly kale, green kale, collard greens
couve-chinesa, couve-da-china, repolho-chinês (Brassica pekinensis Lour.) ou (Brassica chinensis L.) – Chinese cabbage
couve-de-bruxelas (Brassica oleracea L. var. gemmifera Zenk) – brussels sprouts
couve-flor (Brassica oleracea L. var. botrytis) – cauliflower
couve-lombarda (Brassica oleracea L. convar. capitata (L.) Alef. var.sabauda L.) – savoy cabbage
couve-nabo-da-suécia (Brassica napus L. napobrassica) – rutabaga, swede, Swedish turnip
couve-rábano (Brassica oleracea L. var. gongylodes) – kohlrabi
endívia, almeirão (Cichorium endivia L.) – endive
endro (Anethum graveolens L.) – dill
ervilhas (Pisum sativum) – peas
escarola (Cichorium endivia) – escarole
espinafre (Spinacea oleracea L.) – spinach
favas (Vicia faba L.) – broad beans, fava beans
feijão-da-espanha, feijão-trepador, feijão-flor (Phaseolus coccineus L.) – runner beans
feijão-de-lima, feijão-fava, fava-belém, feijão-favona (Phaseolus lunatus L.) – lima beans
feijão-preto (Phaseolus vulgaris L.) – common beans, black beans
gengibre (Zingiber officinale Roscoe) – ginger
grão-de-bico (Cicer arietinum L.) – chickpea
inhame (Colocasia esculenta L.) – old cocoyam, taro
jiló (Solanum gilo) – scarlet eggplant
lentilha (Lens culinaris Medik.) – lentil
mandioca, aipim (Manihot esculenta) – cassava, manioc, tapioca
mandioquinha (Arracacia xanthorrhiza Banc.) – white carrot
manjericão (Ocimum basilicum L.) – basil
manjerona (Origanum majorana L.) – marjoram, sweet marjoram
maxixe (Cucumis anguria L.) – West Indian gherkin, Jamaica cucumber
milho (Zea mays L.) – corn
milho-pipoca (Zea mays everta) – popcorn
nabo (Brassica rapa L.) – turnip
oliva, azeitona (Olea europaea) – olive
orégano (Origanum vulgare L.) – oregano
palmito (Euterpe edulis) – heart of palm
pastinaca, chirivia (Pastinaca sativa) – parsnip
pepino (Cucumis sativus L.) – cucumber
pimenta-cereja (Capsicum annuum var. annuum) – chilli pepper
pimenta-do-reino (Piper nigrum) – pepper
pimenta-malagueta (Capsicum frutescens L.) – tabasco
pimentão, pimentão verde (Capsicum annuum L.) – green pepper
pimentão vermelho, pimentão amarelo (Capsicum annuum L. var. annuum) – bell pepper, sweet pepper, red pepper, yellow pepper
quiabo (Abelmoschus esculentus) – okra
rabanete (Raphanus sativus) – radish
raiz-forte (Armoracia rusticana) – horseradish
repolho (Brassica oleracea L. var. capitata) – cabbage
repolho-chinês, couve-chinesa, couve-da-china (Brassica pekinensis Lour.) ou (Brassica chinensis L.) – Chinese cabbage
repolho-roxo (Brassica oleracea L. var. capitata Alef. var.rubra DC.) – red cabbage
rúcula (Eruca sativa L.) – rucola, arugula
ruibarbo (Rheum rhaponticum) – rhubarb
salsa (Petroselinum crispum (Mill.) Nym) – parsley
soja (Glycine max L.) – soybean, soya
salsão (Apium graveolens L. var. rapaceum) – celeriac
tomate (Lycopersicon esculentum) – tomato
tomilho (Thymus vulgaris) – thyme
trigo (Triticum) – wheat
vagem, feijão-vagem (Phaseolus vulgaris L.) – string beans, French beans

Boas compras!!

Fonte: http://www.sk.com.br/sk-veget.html

Publicado em Geral. 7 Comments »

Dúvidas sobre o processo

Algumas pessoas me pediram pra postar aqui as dúvidas que tivemos no início do processo e que foram respondidas pela Maria João, do consulado em São Paulo . Os e-mails dela são:

re-saopaulo-im-enquiry@international.gc.ca ou

maria.guimaraes@international.gc.ca

Aqui vão as perguntas:

  • Quanto tempo leva a análise da documentação feita pelo Consulado até a concessão (ou não) do visto de residente permanente? O PROCESSO TODO LEVA 16 MESES.

  • É possível solicitar um visto de turista durante o processo de visto de residente permanente? SIM, CASO VISITE O CANADÁ PODE.

  • Para provar a proficiência em Inglês só é aceito o IELTS ou podemos apresentar outro tipo de diploma ou comprovante? PARA A COMPROVAÇÃO DO NÍVEL DE INGLES SOMENTE O TESTE DO IELTS É ACEITO PARA OS PROPÓSITOS DE IMIGRAÇÃO PARA O CANADÁ.

  • Certidão de Nascimento, Cartão de Vacinação de filhos, Histórico escolar de filhos, Diplomas – essa documentação precisa ser traduzida/consularizada ou basta cópia autenticada?  DOCUMENTOS PODEM SER CÓPIAS SIMPLES EM PORTUGUÊS SEM TRADUÇÃO.

  • Proof of Funds – temos um carro avaliado em cerca de R$ 30 mil e iremos vendê-lo quando da mudança definitiva para o Canadá. Podemos incluir como “Property”? SIM.

  • Todas as pessoas incluídas na solicitação de visto têm que fazer o teste IELTS, ou somente o solicitante? SOMENTE O REQUERENTE PRINCIPAL.

  • Com relação à experiência de trabalho, no caso de um dos solicitantes ter sido empresário, o contrato social da empresa serve como prova de experiência de trabalho? SIM, PODE APRESENTAR.

  • Caso nosso processo seja aprovado e consigamos o visto de residente permanente, somente então é que teremos que traduzir e consularizar nossos documentos? PODE TRADUZIR OS DOCUMENTOS NO CANADÁ À MEDIDA QUE FOR PRECISANDO DELES.

  • Caso eu tenha uma proposta de trabalho no Canadá, o tempo de espera para concessão do visto de residente permanente diminui, ou continua o mesmo – cerca de 16 meses? SENDO O PEDIDO REGULAR, PODE SER EM MENOS TEMPO. A SRA. DEVE NESTE CASO APRESENTAR UMA OFERTA DE TRABLAHO APROVADA PELO MINISTÉRIO DO TRABALHO CANADENSE E ESTA OFERTA DEVE SER PERMANENTE.

Espero que essas perguntas e respostas possam ajudar a quem está no início do processo, quando surgem inúmeras dúvidas. Mas caso tenham outras perguntas, mandem e-mails para o consulado, pois é a fonte mais segura para obter informações corretas.

Publicado em Geral. 3 Comments »