Fases

Quem está no processo de imigração para o Canadá sabe que o tempo de espera é longo, muito longo para quem quer começar logo uma vida nova. No entanto, essa fase meio morna, em que nada acontece, em que ficamos ansiosamente esperando a carta solicitando os documentos, é uma etapa importante para amadurecer idéias, juntar dinheiro, obter o máximo de informação sobre o processo e sobre o país e, acima de tudo, se preparar para começar do zero.

E justamente durante as pesquisas sobre o processo achei um estudo super interessante elaborado por Carmelina S.L. Barwick, do Clarke Institute of Psychiatry, de Toronto, em 1991. Nele a pesquisadora descreve todas as fases pelas quais o imigrante passa desde que chega efetivamente ao novo país.

É um estudo que muito pode nos ajudar, pois pelos depoimentos encontrados nos blogs que lemos diariamente, essas fases realmente acontecem. Então, para que todos possam se preparar melhor ainda, segue abaixo a tabela devidamente traduzida (aliás, deveria colocá-la em Inglês, para que os leitores praticassem o idioma, mas como sou boazinha e quero que todos entendam direitinho, já fiz a tradução…).

Comportamentos/Reações

Chegada física ao país – 0 a 6 meses

Social – Suprir as necessidades básicas sociais e de subsistência; procurar – ou evitar – seu grupo étnico
Afetivo – Excitação; entusiasmo; euforia; surpresa com a riqueza material
Cognitivo – Desorientação; distração; confusão; esperançoso com relação à vida e ao futuro
Procura – Procura de “objetos” perdidos; pensa que vê rostos/aromas familiares na multidão; tem lembranças da família, amigos, comida, tempo (frio/calor); gosta do novo ambiente
Reações da nova comunidade – Entusiasmo; recepção calorosa; interesse; assistência material
Recursos necessários – Orientação e serviços de assistência; treinamento do idioma; ligações com o grupo étnico-cultural; interpretação/tradução
  Chegada psicológica – 6 a 12 meses
Social – Suspeita; super dependência; foco no país nativo e  nas perdas; passividade como forma de defesa; problemas com relacionamentos familiares
Afetivo – Reações de luta; culpa; vergonha; nostalgia; saudades de casa; falta de esperança; medo; raiva; depressão; negação; sintomas psicossomáticos
Cognitivo – Percepção da separação do país, de casa, da família e amigos; consciência das diferenças do idioma e costumes do novo país
Procura – Idealização do país nativo e das pessoas; perplexidade; comportamento paranóico; uso de remédios para acalmar; autocontrole exacerbado para esconder raiva, depressão e ansiedade; fatiga; insônia; doenças físicas
Reações da nova comunidade – Raiva e ansiedade geradas pelo preconceito; sentimento de ameaça com relação ao trabalho, recursos; reclamação sobre ingratidão; respeito por aqueles bem-sucedidos
Recursos necessários – Médicos; psicoterapia individual, do casal, da família; grupos de auto-ajuda; grupos de advogados que ajudam os imigrantes
 

Fase de adequação – 1 a 3 anos

Social – Procura e aceitação de ajuda; procura de alternativas dentro da comunidade étnica; possível repatriação; problemas nos relacionamentos familiares
Afetivo – Depressão; culpa, vergonha por conta de insucessos; negação; esperança quando bem-sucedido; reclamações de sintomas psicossomáticos
Cognitivo – Confusão; incerteza com relação ao futuro; questionamento de antigos valores e comportamentos; desejo de autonomia; solução de problemas
Procura – Procura por novos “objetos”; explora novos relacionamentos; explora o ambiente físico; tenta outras alternativas; move-se entre novos e antigos “objetos”; mantém-se ocupado para esquecer da depressão e ansiedade; fatiga; insônia; doença física
Reações da nova comunidade – Impaciência; questionamento sobre a competência do imigrante; altamente ambivalente
Recursos necessários – Iguais aos da fase anterior, mas inclui: treinamento vocacional; atividades de socialização
 

Reconstrução – acima de 3 anos

Social – Procura ativa de novos relacionamentos e papéis; sentimento de dever cumprido; desejo de ajudar os outros; uso correto dos serviços; aumento da autonomia
Afetivo – Esperança; otimismo
Cognitivo – Conforto com relação aos novos papéis; confiança na própria força e recursos; solução de problemas
Procura – Idas e vidas com relação aos novos e antigos “objetos”; adequação, teste e afirmação
Reações da nova comunidade – Aceitação da rede de amigos multicultural
Recursos necessários – Melhora na habilidade de ter acesso aos serviços; redes de apoio social

Para quem chegou até aqui, prometo postar coisas mais agradáveis na próxima… Vou falar sobre os costumes sociais do Canadá: cumprimentos, uso de álcool e tabaco, culinária, senso de humor etc.

  

Publicado em Geral. 2 Comments »

2 Respostas to “Fases”

  1. Paula Regina Says:

    é uma loucura mesmo isso das fases que passamos ao imigrar! Como vou completar um ano mês que vem eu diria que já estou na chegada psicológica e passamos sim por todos estes turbilhões e sem o apoio do marido/companheiro (a) que veio junto é muito fácil desistir no meio do caminho. Acredito que o maior indíce de desistências e volta ao país de origem sejam no primeiro ano mesmo. Aliás, em se tratando de um estudo elaborado por outra pessoa e/ou instituição seria interessante que você citasse a fonte.
    bjs

  2. Camila Says:

    E eu tô doida pra passar por tudo isso! Ou será que eu estou doida por querer passar por tudo isso?

    Tinha que ter uma pesquisa que relacionasse o emprego com essas etapas porque eu acho que as coisas estão muito ligadas.

    Beijo!

    Camila.


Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: